terça-feira, 11 de abril de 2017

[ENTREVISTA 4] LÉO OTACIANO

Brendo Hoshington


"Quando crianças podemos ser tudo, e eu escolhi ser discípulo da vida."

Léo Otaciano


Olá pessoal, tudo bem com vocês?

Então, seguindo nossa seleção de entrevistas o Book of Livros trás hoje um escritor sensacional. O nome dele é Léo Otaciano e ele é autor do livro Loui – O Palhaço Medonho, entre outros sucessos.

Resultado de imagem para LOUI O PALHAÇO MEDONHO

Você pode conferir a sinopse do livro no site da editora Fonzie.

1. Quem é Léo Otaciano?

Sou um cara divertido, sorridente, amante da vida, dos mistérios, e que busca, sem medo, novos conhecimentos, quase a todo tempo. Simples, honesto, persistente e que curte por demais os amigos. Ah, sou aquariano, e odeio mimimi.
  
2. Quando percebeu que a escrita fazia parte da sua vida?

Desde cedo, quando entrei e me arrisquei nas poesias da escola. Quando também, nos tempos vagos, me pegava escrevendo, no quintal de casa, histórias infanto-juvenis.  

3. Qual o primeiro livro que se lembra de ter lido?

Os livros entraram na minha vida através da escola, por isso, até hoje, sou grato e sei do valor que essa instituição tem, mesmo que nos tempos atuais ela esteja cada vez mais sendo esquecida. O primeiro que li foi O Fantasma de Tio William, de Rubens Francisco Lucchetti, seguido de Beijo Azul no Céu da Boca, Jorge de Sá, e Um Conto de Fim de Mundo, de Júlio Emílio Braz. 

4. Como era a primeira história que você criou?

Caro amigo Brendo, sinto saudades dela e lembro que era uma história bem legal e cheia de aventura, pena que se perdeu com o tempo. As folhas não resistiram. Havia intitulado de Nos Trilhos da Amizade.  

5. Quais são suas inspirações?

Referentes a autores, sem dúvida alguma, José Mauro de Vasconcelos e todos os outros que li quando era jovem. Sou apaixonado por clássicos. 

6. Metas para o futuro?

Terminar os projetos literários ainda em andamento, concluir os cursos que faço, tornar-me jornalista e ganhar na Mega Sena. Uma pena que esse último não dependa só de mim pra se realizar.
  
7. Como você enxerga o quadro atual da literatura no Brasil?

Cara, sendo bem sincero, em meu ponto de vista esse quadro oscila bastante, mas minha opinião, num geral, ainda é a mesma, somos carentes. Mas não de autores. Tenho visto muitos que se dedicam, procuram se especializar, estudam bastante e têm atitudes interessantes no cenário. Na verdade, somos carentes de leitores. Temos poucos. O que vejo é um grande grupo de "críticos exagerados" que se definem como leitores, e que não usam bom senso quando compram os nossos livros. Compram para, primeiro, julgar, antes mesmo de ler e conhecer. É um preconceito local que, talvez, tenha a ver com a atitude de algumas editoras, aquelas que assumem o papel de verdadeiras "emissoras do modelo internacional de literatura". Temos que dar valor ao que é nosso, e isso é um preceito que deve ser feito por todos: editora, autor, leitor, sociedade. 

8. Qual é o seu livro nacional predileto?

Ainda amo os clássicos brasileiros, como Machado de Assis, José de Alencar, Graciliano Ramos, Aluísio Azevedo, entre outros, pois em sua maioria, além de uma escrita rebuscada e muito atraente em meu ponto de vista, gostavam de trazer críticas socias como pano de fundo em seus romances. Desde a adolescência sou apaixonado por Dom Casmurro de Machado, e O Meu Pé de Laranja Lima, de José Mauro Vasconcelos.
  
9. O que gosta de fazer nas horas vagas?

Gosto de estudar e pesquisar; obter mais conhecimento nunca é demais. Além disso, não abandono o velho hábito pelo futebol (assistir jogos do flamengo e também jogar durante a semana, às noites, é comum). Também pratico musculação (de vez em quando). Mas, claro, sempre sobra tempo pra curtir o filho também. 

10. O que você diria para uma pessoa que está começando agora?

Abra os olhos e tape os ouvidos. Isso vai ser necessário e você nem sabe o quanto. Adquira o máximo de conhecimento que puder sobre determinados assuntos e em relação ao que for escrever. O aperfeiçoamento é fundamental e deve andar junto ao amor pela escrita. Tenha atitude e determinação. Pense, invente, escreva, apague, reescreva, inove e invista em seu sonho. Sempre. Esse não é um caminho sem espinhos, todos gostaríamos que fosse, então, a primeira frase dessa resposta deve ser a sua primeira tarefa. 


Acompanhe agora um conto escrito pelo autor:

Vazio
Histórias Loucas de um Mundo Tresloucado, Rio, 2016

Como o interior de uma boca que dorme. O silêncio perdura continuadamente. Não há nada a se ver, ouvir ou dizer. Só há como sentir. O frio. O frio que persiste.
Só há como sentir. O suor escorrer sobre o rosto escondido.
Como um recipiente fechado. Um tabuleiro sem peças. Não há luz.
Não há luz no fim do túnel. Nem túnel há.
O vazio insiste. Ele grita indefeso. Como uma caça que corre. Mas não há cansaço. Há descanso. Uma interrupção das vozes e da multidão. O verdadeiro inferno está dentro de mim.


Agradeço! Muito obrigado.

Abraços.

Conheça mais sobre o autor
Conheça o seu blog Marcas Literárias


Já pensou em ter uma almofada do seu livro preferido? Ou daquela série que você não perde um episódio? Então conheça a Pillows - Almofadas Personalizadas










Brendo Hoshington / Administrador & Editor

Mora em Pernambuco e sonha em conhecer o mundo, mas por enquanto viaja apenas em livros e séries.

13 comentários:

  1. Léo é um cara incrível. Excelente entrevista. Gostei bastante, como sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Felipe, você é o cara!
      Te admiro.

      Abraços.

      Excluir
    2. Obrigado Felipe, em breve teremos a sua aqui no blog o/

      Excluir
  2. Parabens Léo, gostei de conhecer um pouco da sua história e objetivos futuros, futuro jornalista. Não desista dos seus sonhos.

    Muito bom Brendo, gostando de vê e conhecer o e escritores brasileiros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, suas palavras são entusiasmadoras.

      Abraço.

      Excluir
  3. Eu que agradeço por sempre acompanhar os post e comentar, forte abraço.

    ResponderExcluir
  4. Caro amigo, que entrevista espetacular, sem exagero algum. Admiro o teu trabalho e incentivo aos amigos autores. Sabemos que é nem difícil esse cenário, por isso, pessoas como você fazem a diferença.

    Obrigado. Foi uma honra participar do seu projeto e estar aqui no Book of Livros.

    Abração, amigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já me perguntaram o que eu ganhava com isso acredita?
      Daí eu respondi que cada ação que fazemos muda um pouco o nosso mundo, sendo assim, o que eu puder fazer para a literatura nacional crescer eu farei.

      Excluir
  5. Que entrevista bacana Brendo, ainda não conhecia seu blog, mas já conheço o Leo desde o fim de 2015, uma pessoa maravilhosa e um escritor muito talentoso.
    As perguntas certas sempre fazem a diferença, amei seu jeito direto de fazer as perguntas, sem mimimi, sem enrolação. O Leo como sempre muito carismático, acho que todos nós gostaríamos de ganhar na Mega Sena rs.
    Parabéns aos dois, um forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kalita fico muito feliz que tenha gostado. Me esforcei bastante pra trazer algo diferente <3

      Excluir
  6. Parabéns Brendo adorei está maravilhosa. Parabéns Léo, tenho orgulho de falar que sou sua amiga.

    ResponderExcluir
  7. Obrigado pelo comentário, o Book of Livros está de portas abertas, sempre.

    ResponderExcluir
  8. Eu recentemente adquiri o Loui, O Palhaço Medonho.
    Apesar de eu ter uma pequena ( Talvez enorme) fobia de palhaços eu achei bem interessante
    Parabéns ao autor e espero ler mais livros seus.

    PS: Como faço para comprar o Histórias Loucas de um Mundo Tresloucado?

    Desde já, obrigado por vossa atenção.

    (Meu e-mail para contato: corvinalcoorte1@gmail.com)

    ResponderExcluir