quarta-feira, 5 de abril de 2017

[RESENHA] ENIGMA - MUNDO INTERDITO

Brendo Hoshington


Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.

Acompanhe esse post ao som de Heal The World:


Título: Enigma – Mundo Interdito
Autora: Rita Pinheiro
Editora: Baraúna
Páginas: 298
Gênero: Fantasia, ficção científica.



– Meu povo gosta de dinheiro, carros, roupas, sapatos e outras coisas que até agora não vi aqui. – Retrucou ele com cara de deboche.
– Sim, mas temos muitas montanhas de pedras que vocês consideram valiosas para fins diferentes dos nossos, mas aqui elas são preciosas para nos fortalecer como pessoas.
– Então o bem mais precioso de vocês é o ouro e outras preciosidades, não são muito diferentes de nós. – Concluiu ele.
– Não, Narciso, nosso bem mais precioso é o amor, sem ele não saberíamos aproveitar o poder da natureza, nem poderíamos nos desenvolver como seres humanos, nossas vidas seriam vazias e sem sentindo. O amor é a única coisa que não pode faltar aqui, é o nosso alimento diário, o ar que respiramos, é a base de tudo.


Creio que não haja momento mais oportuno para falar sobre Enigma do quê nesse instante em que as bombas ecoam nas ruas da Síria.


O livro nada mais é do que percursor de uma mensagem que há muito tempo nós seres humanos necessitamos ouvir, a de que sem o amor nossas vidas são vazias e sem sentindo.

Na história, Enigma se trata de um mundo interdito, a caixa dentro de outra caixa. E a única forma de entrar nesse mundo é através de um portal que se abre no Triângulo das Bermudas. Os habitantes de Enigma têm como base de sua existência o amor, e fora através dele que conseguiram se desenvolver não só tecnologicamente como também espiritualmente.

No começo do livro iremos conhecer o Johnny, um cara festeiro, consumista e egoísta, que não está nem aí para o próximo e muito menos para o que ocorre ao redor do mundo. Durante uma viagem em direção à Flórida o piloto do avião em que ele está decide sobrevoar o Triângulo das Bermudas (por que não) e é onde tudo começa a dar errado. Uma espécie de neblina começa a sugar a nave para dentro dela, transformando-a em pedacinhos, e como Johnny não consegue pensar em outra saída a não ser também ser sugado pela neblina ele acaba pulando do avião e indo parar em Enigma.

É a partir daí que começa nossa história, onde como através de um espelho um humano se depara com exatamente o oposto de tudo aquilo que conhece. A autora, Rita Pinheiro, utiliza desses elementos para então transpassar sua mensagem.

A de que uma sociedade é sim capaz de viver em união. A de que o dinheiro e os bens materiais não são nada perto daquilo que podemos alcançar espiritualmente.

A jornada de Johnny será a de compreender tudo isso e então voltar para alertar o restante do mundo, mas como era de se esperar as coisas não ocorrem exatamente dessa forma.

Através de um mundo científico, com seres fantásticos e humanos desenvolvidos a autora nos leva por um caminho de revelações, revelações essas que se fossem compreendidas pelos seres humanos do nosso mundo seriam capazes de nos tirar do precipício para o qual estamos caminhando.

A escolha não será apenas de Johnny. Você também terá que decidir se irá continuar comendo, se divertindo, sorrindo e se esquecendo do que ocorre lá fora ou até mesmo ao lado da sua casa ou se irá permitir que o amor transforme sua vida.

Link para compra.

Já pensou em ter uma almofada do seu livro preferido? Ou daquela série que você não perde um episódio? Então conheça a Pillows - Almofadas Personalizadas





Brendo Hoshington / Administrador & Editor

Mora em Pernambuco e sonha em conhecer o mundo, mas por enquanto viaja apenas em livros e séries.

4 comentários:

  1. Podemos sim! tornar o mundo, um mundo melhor. Se cada um se conscientizar a vida seria melhor.

    ResponderExcluir
  2. O mínimo que podemos fazer é a nossa parte.
    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  3. Adorei a premissa do livro, de fato precisamos de mais compaixão, a humanidade caminha na direção errada.

    ResponderExcluir
  4. Exato, a compaixão é a base de tudo.

    ResponderExcluir