sábado, 22 de abril de 2017

[ENTREVISTA 12] ANDRÉ SOLIDÃO

Brendo Hoshington


“Esquecida. Eis que Cida se apaixonou, se entregou e logo foi esquecida. Eis que Cida nunca esqueceu.”

André Solidão
Acompanhe essa entrevista ao som de uma das músicas prediletas do autor:


A entrevista de hoje trás um poeta que tá dando o que falar, seu nome é André Solidão e ele é autor do livro O Silêncio que ficou entre Nós:

Resultado de imagem para o silencio que ficou entre nós

Confira a sinopse do livro no site da editora Pendragon.

1. Quem é você?

Eu sou André Solidão.

2. Quando percebeu que a escrita fazia parte da sua vida?

Percebi que a escrita fazia e faz parte da minha vida, quando me vi escrevendo sobre tudo o que me magoava, e como eu transportava tão bem aquela dor para o papel.

3. Qual o primeiro livro que se lembra de ter lido?

11 minutos do maravilhoso Paulo Coelho.

4. Como era a primeira história que você criou?

Eu era um Power Ranger.

5. Quais são as suas inspirações?

Acredito que todos os autores que sonhem e amam o que fazem, para além da escrita, quando você faz algo com amor, você se torna uma grande inspiração.

6. Metas para o futuro?

Espalhar poesia por todo o país, nos muros, nos livros, em todo lugar. Nesse mundo difícil em que vivemos atualmente, a poesia vem como um grande meio de cura suave.

7. Como você enxerga o quadro atual da literatura no Brasil?

Não sou capaz de opinar.

8. Qual é o seu livro nacional predileto?

Continua sendo 11 minutos do Paulo Coelho.

9. O que gosta de fazer nas horas vagas?

Dormir, tem coisa melhor?

10. O que você diria para alguém que está começando agora?

Organize seus desejos e sonhos, foque e lute por aquilo que você acredita e anseia, um dia você chega aonde deseja. 


Confira agora um texto escrito pelo autor:

Eu amo, amo a forma como você mente, a forma cínica que você me trata. Eu amo, amo a forma como doem as suas mentiras, elas me confortam. Eu amo, amo todos os seus defeitos. Amo seu jeito de agir e pensar, mas amo também o seu modo de me amar, pois até um brinquedo você ama mais. Amo ser sua marionete, o seu brinquedinho predileto. Amo ouvir você dizer a seus amigos que sou seu prisioneiro, que você faz o que bem quer de mim. Amo acordar recebendo pancadas suas, ouvir você dizendo as piores coisas de mim, pois eu amo a forma como você mente. Eu amo, amo brigar com você direto, amo ser seu cachorrinho que você leva aonde vai. Eu amo, amo a forma como você mente, a forma que você demonstra suas maiores raivas. Amo a forma que você me bate, que você me machuca. Amo também a forma que você me dá medo, a forma que você não demonstra carinho. Amo não te ter, mas amo ser seu jogo, no qual você diz que não precisa. Eu amo, amo ver você me matando por dentro. Amo ver você sendo falso comigo e amo ouvir você dizendo não estar feliz ao meu lado. Eu amo, amo a forma como tudo se tornou um caos, amo ver você feliz ao me ver sangrando. Amo ver você me fazendo chorar e não vir enxugar minhas lágrimas, amo você me detonando, dizendo que não presto para ninguém, que nunca vou ser feliz. Mas sabe o que mais amo? Ouvir você dizendo que não me ama e que nunca mais vai me querer ao seu lado, pois eu amo a forma como você mente!



Já pensou em ter uma almofada do seu livro preferido? Ou daquela série que você não perde um episódio? Então conheça a Pillows - Almofadas Personalizadas, uma loja do Book of Livros.



Brendo Hoshington / Administrador & Editor

Mora em Pernambuco e sonha em conhecer o mundo, mas por enquanto viaja apenas em livros e séries.

0 comentários:

Postar um comentário